Conselheiro do TCE-RJ ‘arquitetou homicídio’ de Marielle Franco, aponta PGR

A Procuradoria-Geral da República (PGR) afirmou em denúncia enviada ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) que o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, Domingos Brazão, “arquitetou o homicídio da vereadora Marielle Franco e visando manter-se impune, esquematizou a difusão de notícia falsa sobre os responsáveis pelo homicídio”. As informações foram publicadas pelo Uol.

Esta é a primeira declaração taxativa de uma autoridade sobre o mandante do atentado da vereadora e de seu motorista, Anderson Gomes, em 14 de março do ano passado. A denúncia foi assinada pela então procuradora-geral da República Raquel Dodge, antes de deixar o cargo. Ela acusou Brazão e outras quatro pessoas por participação em suposto esquema de obstrução da investigação do atentado.

“Fazia parte da estratégia que alguém prestasse falso testemunho sobre a autoria do crime e a notícia falsa chegasse à Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, desviando o curso da investigação em andamento e afastando a linha investigativa que pudesse identificá-lo como mentor intelectual dos crimes de homicídio”, lê-se na denúncia obtida pelo site.

Em outro pedido feito também ao STJ, Dodge pediu a federalização das investigações. Brazão sempre negou envolvimento no caso. 

SennaHost

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *